Política Paranaense

Postado dia 06/01/2015 às 05:55:08

Câmara cassa André Vargas, sócio do doleiro Youssef

Rifado pelo PT para não atrapalhar as eleições, deputado perdeu o mandato nesta quarta. Segundo a PF, ele trabalhou para enriquecer com o doleiro

Marcela Mattos, de Brasília, da VEJA
  • Vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas
  • André Vargas (PT/PR), vice-presidente da Câmara dos Deputados, e Joaquim Barbosa. Durante cerimônia de abertura dos trabalhos legislativos de 2014 no Congresso Nacional
  • Vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas, durante programa Poder e Política
  • O vice-presidente da Câmara, o deputado André Vargas (PT-PR), faz autorretrato ao lado do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquima Barbosa, durante sessão de reabertura dos trabalhos legislativos, em Brasília
  • O vice presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas (PT PR), manda mensagens de celular durante sessão no Congresso Nacional
  • O deputado licenciado André Vargas (PT-PR) passeia com os filhos
  • Índios durante reunião com o presidente em exercício da Câmara dos Deputados, André Vargas

Vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas

Vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas - Gustavo Lima/Câmara dos Deputados/VEJA

A Câmara dos Deputados cassou nesta quarta-feira o primeiro mandato de um parlamentar flagrado no maior propinoduto já descoberto no país. Por 359 votos a favor e seis abstenções, o paranaense André Vargas, filiado ao Partido dos Trabalhadores até abril, perdeu o mandato por quebra de decoro parlamentar. O único voto pela absolvição foi de José Airton (PT-CE).

Homem forte no PT, André Vargas ocupava a cobiçada primeira-vice-presidência da Câmara quando seu nome apareceu na primeira etapa da Operação Lava Jato da Polícia Federal, que à época desenhava-se apenas uma grande investigação de combate à lavagem de dinheiro. Os desdobramentos da operação revelaram que o agora ex-deputado mantinha uma estreita relação com o doleiro Alberto Youssef, pivô de um esquema de lavagem de recursos públicos desviados cujas proporções ainda não foram totalmente dimensionadas – e que devem arrastar uma lista de políticos que se beneficiaram do esquema que assaltou os cofres da Petrobras. Nesse aspecto, a decisão da Câmara é alentadora.

Segundo a Polícia Federal, Vargas era sócio em negócios ilícitos de Youssef, como o laboratório de fachada Labogen, usado para lavar 113,38 milhões de dólares em contratos de câmbio fictícios. Conforme as investigações, os dois trabalhavam para enriquecer juntos, fraudando contratos com o governo federal. Mensagens de celular interceptadas pela Polícia Federal evidenciaram que Vargas, que se referia ao doleiro como "irmão", exercia seu poder para cobrar compromissos de Youssef. O jornal Folha de S. Paulo também revelou que Vargas chegou a viajar em férias usando um jatinho fretado pelo doleiro.

Rifado pelo PT para que não contaminasse algumas candidaturas da sigla, Vargas manteve parte de sua influência na Câmara e contou com a ajuda de parlamentares do partido para protelar o desfecho do processo por oito meses. Por pouco não conseguiu encerrar a legislatura ileso, o que evitaria o enquadramento na Lei da Ficha Limpa e a inelegibilidade pelos próximos oito anos. Nesta quarta-feira, o deputado José Mentor (PT-SP) chegou a sentar na cadeira da presidência da Câmara encerrar pela manhã a sessão destinada a votar o parecer pela perda do mandato. A intenção era adiar a votação para a próxima semana, a última antes do recesso, o que provavelmente salvaria Vargas. A manobra só não deu certo porque a oposição pressionou e o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), retornou à sessão mais tarde.

Amigo do paranaense, o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), cujo nome também ronda a Operação Lava Jato, saiu em defesa do colega: “Não é correto falar que um deputado que vote ‘não’ seja a favor da corrupção. Nós estamos votando aqui a cassação de um colega que acho que teve muita pouca base de avaliação”, afirmou. No entanto, ao orientar o voto da bancada, o líder do PT, Vicentinho (SP), defendeu a cassação do ex-petista.

Conhecido pelo estilo fanfarrão e truculento, Vargas não compareceu à sessão para se defender. Em uma última cartada para adiar a análise do processo, ele apresentou um atestado médico alegando que havia passado por uma cirurgia na boca. No entanto, o recurso foi negado sob o argumento de que o deputado deveria ter solicitado análise da junta médica da Câmara. O deputado Eurico Júnior (PV-RJ) assumiu a função de advogado dativo e fez a defesa do paranaense em plenário. Sem conseguir negar a relação de Vargas com o doleiro, o defensor pediu o abrandamento da pena: uma suspensão. Vargas chegou até a apelar para o sentimentalismo dos colegas. Em um apelo a aliados, ele rogou que o processo não fosse agendado para esta quarta-feira, aniversário da cidade paranaense de Londrina, seu berço político. Não foi atendido.

Ex-secretário de Comunicação do PT, Vargas foi um dos principais defensores dos políticos presos no julgamento do mensalão. Ao longo do processo, o agora ex-deputado acusou o Supremo Tribunal Federal de estar cedendo às pressões para agilizar o julgamento e deu uma série de declarações para desqualificar a corte. Da tribuna, Vargas protagonizou a deplorável cena ao hostilizar o então presidente do Supremo Joaquim Barbosa, relator do mensalão, repetindo o gesto dos mensaleiros – punho em riste – durante sessão solene.


comente esta matéria »

Copyright © 2010 - 2016 | Revelia Eventos - Cornélio Procópio - PR
Desenvolvimento AbusarWeb.com.br