Abatiá

Postado dia 21/08/2013

Dona Altina, uma abatiaense apaixonada pelo futebol amador

por Maria Rodrigues de Carvalho, do Abatiá Online

 Existem sim, muitas mulheres que apreciam o esporte. Porém, pouco se sabe, de mulheres que acompanham, organizam e tomam conta de times. Assim como dona Altina faz. Conhecida como Dona Altina, mas seu nome verdadeiro é Vicentina Teodora de Lima. É Uma mulher que se diferencia das demais pelo fato de ser “apaixonada” pelo futebol.

Nascida aos noves dias do mês de abril no ano de 1.940. Conta que começou a frequentar campos de futebol junto com o pai e irmão em Ribeirão Bonito, onde morava. Interessava-se muito pelo esporte, sempre participando, passou a entender e a nascer à paixão pelo futebol.

Casou-se com Aristides Sebastião de Lima, popularmente chamado de “Brejão”. Hoje infelizmente já falecido. Mudaram-se para Abatiá, onde “tomavam conta”, como diz dona Altina, do time da prefeitura. Ela lembra-se de muitos jogadores da época, como o Zezão do ônibus e outros citados a seguir.

Depois de alguns anos formaram o time de futebol amador: VILA NOVA. Existente até hoje, sendo dona Altina o “carro chefe” da equipe.

Dona Altina nos contou sobre as conquistas de seu time e destacou algumas como: o “Troféu Osmar Dias” em 1.992 na cidade de Bandeirantes- PR; O 2º Campeonato amador ASSEFANORPA em 2.009, onde foram campeões com os titulares do VILA NOVA e conquistaram o 5º lugar com os aspirantes; O 5º lugar com os titulares no 3º Campeonato ASSEFANORPA em 2.010 e vice-campeão em 2011 no mesmo campeonato. E segue uma longa lista de competições que o time de dona Altina participou.

Foto0099

Porém, ela diz que em meio a tantas conquistas o troféu que considera o mais importante que recebeu foi em 2.008. O “Troféu Solidariedade – ASSEFANORPA”, ONDE REALIZARAM UMA CAMPANHA EM PROL AO HOSPITAL DO CÂNCER DE Londrina-PR. E dona Altina, com seu imenso coração, deixa suas tarefas e sai arrecadando prendas por toda a cidade, para ajudar a campanha. Ela diz: “De todos os troféus que recebi, este é o mais importante, pois gosto de ajudar as pessoas”.

com o “Troféu Solidariedade”

Em sua longa trajetória no futebol, afirma que, atualmente os times são de muita qualidade. Mas infelizmente, mantêm-se com poucos patrocínios do comércio local. Tais patrocínios utilizados para a elaboração dos uniformes. Relata também que, ex-prefeitos, como: José Luiz, José Lacrino, Jurandir Yamagami e Edeval ajudavam com transporte e algumas vezes com uniformes. E segundo dona Altina, a atual administração com a prefeita Lourdes continua colaborando.

Dona Altina é uma senhora adorável e muito atenciosa, e se o assunto é futebol, a conversa vai longe.

Em meio a tantas competições que o time VILA NOVA participa, ressalta-se o campeonato da rádio. Que a equipa disputa há vários anos, e diz que participam e gostam muito. Pois é bem organizado. Os jogos tem disciplina, e no fim deste ano “se Deus quiser” irão participar novamente. São 46 times de cidades de toda a região, organizado pelo Toninho Donizete o qual dona Altina faz muitos elogios.

O gosto de dona Altina pelo futebol envolveu toda a família. E alguns de seus filhos como Laércio de Lima (Nenê), Serginho, Cleiton e Celsinho jogam no Vila Nova. Além dos genros Oroaldo Braz de Mello, Ailton (Mitti) e Fernando, irmão Aparecido (Cabeçinha), netos Lucas, Luís Gustavo, Clevinho, Hercules (Tu) e Juninho.

vilanova

Ao falarmos sobre os jogadores, dona Altina abre um grande sorriso e fala com muito carinho sobre alguns deles. Começando pelo neto Luís Gustavo de Mello com 23 anos que atualmente está jogando no interior de São Paulo, no “José Bonifácio Futebol Clube”. Mas já jogou em Campo Mourão-PR, Guariba-SP, Londrina-PR, Penapolense-SP e Bandeirantes-PR.

Ela conta que o neto começou jogando no Vila Nova e logo notaram que ele tinha muito talento. Citou também o neto Lucas Iglécias de Lima, de 16 anos, jogador do Vila Nova que irá em breve jogar em Londrina, segundo ela não é porque são seus netos, mas jogam muito bem. E conclui que torce imensamente pelo sucesso deles e reza muito para que cresçam no futebol e realizem seus sonhos que é também dela.

Gustavo - Lucas (Netos)
Gustavo – Lucas (Netos)

Histórias para contar ó que não falta! Relembra com saudade o tempo do “Tremendão”, diz que apesar do campo não ser dos melhores, o lugar era muito bom e gostavam de jogar lá.

Quando se faz o que gosta, a satisfação é garantida! Esse é o caso de dona Altina, que fica sempre muito feliz com as competições e seus jogadores.

Com seu “coração de mãe”, onde sempre há lugar para mais um, ressalta que todos os jogadores do seu time são muito queridos e bons. E com orgulho comenta sobre alguns que já passaram pelo time e outros que ainda estão, como Marcinho (Boca preta), Siqueira, Nei, David, Fernando Henrique, Leandro (Carcinha), Renãn, Evandro (Negão) e Rodrigo.

A lista é longa, mas ela fez questão em falar de diversos jogadores, pois todos foram e ainda são importantes para o Vila Nova. E continua citando nomes, Nevilson, Binha, Xandinho, Alex Jr, Biano, Gilmar (Quati), Luiz Carlos, Paulo Henrique, Hudson, Lucas Pereira, Josuel, Diogo, João Lucas, João Paulo e Willian (atualmente jogando em Londrina). E não poderia deixar de fora o Higor (Higuinho) ex-jogador de seu time que infelizmente após um grave acidente de carro não pode continuar jogando, mas graças a Deus está bem e será sempre lembrado com carinho pelo time.

551552_460677987340838_1928375688_n

Conclui que gosta muito de todos e pede que Deus os abençoe sempre. Também agradece aos jogadores, torcedores, familiares e ao Toninho Donizete Dias pelo apoio ao futebol amador.
Uma palmeirense de coração casada com São Paulino, mas garante que nunca houve briga por isso, afinal são todos mesmo torcedores do Vila Nova.

Moradora a 45 anos da cidade de Abatiá, é hoje referência quando se trata de futebol amador. E relata estar firme com o time, devido ao apoio dos filhos, pois logo que seu marido “Brejão”, após 56 anos de casados, faleceu em 01 de março de 2.012. Ela pensou em desistir, mas a família a incentivou não parar, já que o futebol era paixão em comum entre os dois e essa seria a vontade de seu companheiro. Assim decidiu prosseguir e pretende continuar por muitos anos mais. E isso não será difícil, já que é uma mulher forte e saudável e conta com o apoio de 10 filhos (5 homens e 5 mulheres), 23 netos, 11 bisnetos, 2 tataranetas e muita fé em Deus para prosseguir.

Parabéns dona Altina, por ser um dos símbolos do futebol amador abatiaense.

Copyright © 2010 - 2019 | Revelia Eventos - Cornélio Procópio - PR
Desenvolvimento AbusarWeb.com.br