Assaí

Postado dia 06/01/2015 às 05:55:07

E 2015 vindo aí, em pauta a eleição de prefeito de Assaí

Com 2015 vindo por aí, em pauta a eleição de prefeito de 2016No meio político, nos próximos meses de 2015, principal assunto em pauta será as eleições para escolha de prefeito e vereadores, em pleito marcado para outubro de 2016.

No entanto, as articulações começam bem antes devido ao prazo de um ano para filiações partidárias. Ou seja, quem pretende ser candidato nas próximas eleições deve se filiar a um partido político até final de setembro de 2015.

A regra geral para filiação partidária consta do artigo 18 da Lei dos Partidos Políticos (Lei nº 9.096/1995) e no 9º da Lei das Eleições (Lei n° 9.504/1997).

Exceção àquela regra são magistrados, membros de tribunal de contas ou Ministério Público (que devem se filiar até seis meses antes do pleito, no caso, até começo de abril do ano de eleição), e os militares (considerados filiados a partir da escolha de seu nome em convenção partidária).

Vencida essa etapa legal, no caso de Assaí, a atenção se volta aos possíveis nomes de candidatos a prefeito para o próximo pleito municipal. Principal nome na disputa é o prefeito Luiz Alberto Vicente (PSDB), candidato natural à reeleição, a menos que se manifeste em sentido contrário.

Já do lado da oposição, principal nome ventilado e da ex-primeira-dama Neusa Maria Varella Bomtempo, reunindo lideranças principalmente do PDT, PMDB, PSC e PTB.

Para fortalecer o grupo, principal alternativa passa pela união de forças tradicionalmente antagônicas que reuniria o ex-prefeito Michel Angelo Bomtempo, os ex-vereadores Alaor Euzébio dos Santos, Darlan Rodrigues Araújo e Jorge Torquato Júnior, além do empresário Juan Luis Veiga Vasquez (PSC).

Com a união daquele grupo, haveria então possibilidade de apoio do atual vereador Wanderlei Rodrigues dos Santos, o Vandinho (PSC).

Se o diretório municipal do PMDB decidisse cerrar fileiras com a candidatura de oposição, caberia ao vereador Antônio Menegildo Gavião Manoel seguir orientação do partido ou mesmo pedir desligamento por “justa causa”.

O presidente da Câmara de Vereadores, Amarildo Aparecido Corrêa também integra partido, o PTB, que virtualmente poderia apoiar o palanque do candidato da oposição em outubro de 2016.

Uma alternativa seria a migração para algum partido em processo de migração, o que não importaria em perda de mandato por infidelidade partidária.

Na atual legislatura, os vereadores Diego Viana e Cleyton Clyver Cruz trocou o PSC pelo PROS.

Às vésperas do pleito de 2016, há possibilidades ainda de migração para alguns partidos em processo de formação junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). 


comente esta matéria »

Copyright © 2010 - 2016 | Revelia Eventos - Cornélio Procópio - PR
Desenvolvimento AbusarWeb.com.br