Política Paranaense

Postado dia 06/01/2015 às 05:55:08

Após outubro de 2014, o que sobrou da oposição no Paraná

O que sobrou da oposição no ParanáMais do que uma cômoda vitória no primeiro turno, a reeleição do governador Beto Richa (PSDB) conseguiu dizimar a oposição no Paraná. Tanto o PMDB de Roberto Requião quanto o PT de Gleisi Hoffmann saíram das urnas sem forças para construir um projeto consistente para 2018. Só o surgimento de uma nova via seria capaz de mudar esse cenário.

A alternativa passaria pelo PDT de Gustavo Fruet e Osmar Dias. Ainda assim, nas atuais circunstâncias, ambos só parecem viáveis se superarem a onda antipetista que tomou conta do estado. Ou seja, se reconstruírem pontes com Richa ou conseguirem convencer como uma espécie de terceira tendência.

Nos corredores

Fora da mesa

A eleição para as mesas diretoras da Câmara dos Deputados e do Senado, em fevereiro de 2015, deve repetir uma sina da bancada paranaense – o distanciamento dos cargos de comando do Legislativo. Ninguém do estado aparece como alternativa nem para a presidência, nem para importantes postos como a primeira secretaria das duas Casas.

Entrou, mas saiu

O último paranaense a ocupar um cargo de destaque no Congresso foi André Vargas (PT). Vice-presidente da Câmara dos Deputados, ele renunciou ao cargo em abril, envolvido em denúncias de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, um dos pivôs da operação Lava Jato. Antes dele, Osmar Serraglio foi primeiro-secretário da Câmara (2007-2009).

Só o Bento

Antes das experiências de Serraglio e Vargas, o último paranaense a ocupar um cargo relevante na Câmara foi Bento Munhoz da Rocha – foi primeiro-secretário no final dos anos 1950. A propósito, a bancada do Paraná é a sexta maior da Casa, com 30 deputados – 22 a mais que a do Rio Grande do Norte, estado do atual presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB).

Foi mais ou menos o que Osmar tentou nesta campanha. Vice-presidente de agronegócios do Banco do Brasil, ele assessorou Dilma Rousseff em questões técnicas, mas distanciou-se do jogo eleitoral. Poupou a imagem, após duas derrotas seguidas na disputa pelo Palácio Iguaçu.

Fruet foi mais assertivo no apoio a Gleisi. Mas a impressão é de que a eleição de 2014 fechou um ciclo da relação entre petistas e pedetistas. Eles estariam quites após o PT topar a vice de Fruet em 2012 e o PDT a vice de Gleisi em 2014 – daqui para frente, seria cada um por si.

A falta de uma oposição para valer é interessante para Richa, mas uma lástima para os paranaenses. As contas estaduais não vão nada bem (como já não estavam bem no ano passado, quando a dívida acumulada com fornecedores chegou a R$ 1,1 bilhão). Sem uma oposição forte, o assunto vai continuar nas páginas dos jornais, mas tangenciado do debate político.

Como comparação, a diminuta oposição a Dilma na Câmara, que não chega a 100 dos 513 deputados federais, tem aprontado um escarcéu para a aprovação do projeto que desobriga o governo a cumprir a meta de superávit primário. Enquanto isso, na Assembleia Legislativa, o PMDB de Requião já fechou questão no apoio à candidatura do tucano Ademar Traiano para a presidência da Casa, em 2015.

A perspectiva é tão tranquila para Richa que, por enquanto, parece que as únicas dores de cabeça em potencial estão dentro de casa. Assim como já aconteceu com Requião, o atual governador não consegue construir sucessores. Prova disso foi a derrota de Luciano Ducci (PSB) na última disputa pela prefeitura de Curitiba.

No momento, o nome mais forte para a sucessão estadual é o senador Alvaro Dias, que é do PSDB de Richa, mas nunca tocou na mesma banda. Outra alternativa seria Ratinho Júnior (PSC), que também não é exatamente um titular do time do atual governador.

Não será surpreendente se Richa apostar na fórmula do “poste” inventada por Lula e disseminada por Aécio Neves e Eduardo Campos.

Para fabricar uma candidatura, porém, é necessário que o governo tenha o que mostrar. E é mais fácil quando existe um debate de ideias.

No fundo, oposição faz bem até para os planos de Richa.

da coluna Conexão Brasília, de André Gonçalves, na Gazeta do Povo


comente esta matéria »

Copyright © 2010 - 2016 | Revelia Eventos - Cornélio Procópio - PR
Desenvolvimento AbusarWeb.com.br